sexta-feira, 14 de março de 2008

César, Irving e a futura maternidade do Pico

César prometeu um bloco de partos para o Pico. E fê-lo na sua qualidade de Presidente do Governo Regional. Não na de um inexperiente candidato socialista ao cargo de presidente do governo.
Não, este anúncio foi feito durante uma visita estatutária ao Pico e não numa acção de campanha do PS.
E nós interpretámos esta decisão, como o reconhecimento do imenso sacrifício e dor suportado pelas mães do Pico. Sempre corajosas.
E no nosso íntimo, anuímos que a justiça tardara mas sempre acabara por chegar.
Que a provação não fora em vão.
Que todas as lágrimas, todo o sofrimento, todas as privações não mais seriam prolongadas por um parto longe e distante. Previamente maltratado no revolver das ondas.

Só que na última visita, também estatutária, alguém se esqueceu de dar continuidade a esta deliberação.
Estamos em crer que terá sido por lapso. Daqueles lapsos que nós temos quando, por demasiado óbvios nos parecerem os factos, achamos desnecessários e repetitivos ter de voltar a mencioná-los.
Só pode ser esta a explicação, pois não acreditamos que alguém se atreva a brincar com o sofrimento dos outros. E que fique impune.
Muito menos um estadista responsável e nada novato nestas andanças.
Sabemos até, que Irving, famoso historiador britânico foi parar à cadeia por desrespeitar o sofrimento dos outros.
E nós aplaudimos.
Este senhor teve a ousadia e o desplante de afirmar que o holocausto não existiu. Que o padecimento alheio, afinal tinha sido ilusão.
Por cá, suspiramos de alívio, pois consideramo-nos rodeados de humanistas. Cremos ser governados por pessoas sensíveis, responsáveis e com elevado sentido de estado.
Porque se acreditássemos que o tal lapso tinha sido propositado, então seríamos os primeiros a exigir pena idêntica a Irving.

11 comentários:

lapa disse...

Vá lá, vá lá.

Jose Augusto Soares disse...

Há mais de vinte anos que não se nasce no Pico...
E quem promete e não cumpre, melhor seria se nunca tivesse aberto a boca.

Anónimo disse...

Sr basalto, diga lá, já sentia a falta do meu comentário.
Ora, cá estou eu para evitar os incómodos que propõe no seu post: o de César e Irving terem uma pena idêntica.
Aqui eu não percebi. Desejava que César fosse preso numa penitenciária austríaca, que são muito boas por sinal? Ou que Irving tivesse como pena a chefia de um governo muito medíocre, como é o caso?
Bem, para evitar qualquer um destes transtornos, cá vão três propostas de solução:
1ª Solução bloco de notas: César comunica que se referia a um bloco onde o ginecologista anota os detalhes dos partos. E, claro, envia para o Pico um bloco (de notas) de partos.
2ª Solução vire no próximo corredor à direita e avance 5 milhas: A grávida daria entrada no hospital da Horta e meia hora antes do parto, já com uma dilatação considerável, viria para o Pico ter o bebé, voltando de seguida à Horta para expulsar a placenta.
3ª Solução luzes do Aeroporto do Pico - Esta parece-me a mais exequível, até porque está a ser executada com muito sucesso na ilha:
Transfere-se para uma sala do Centro de Saúde da Madalena, o equipamento de uma dessas maternidades que estão a fechar, por esse país fora.
E daí, diz-me vossemecê, para que serve apenas o equipamento? E eu digo, serve tanto como as luzes da pista do Pico, ou mesmo como os deputados do Pico.
Pois se existem, então lá devem ter alguma função. Mesmo que não seja aquela que deveriam ter.
Por agora é tudo,
sincerely

Patriota d’uns actos

Willoughby disse...

Enfim!
Não há dúvida que cada região sabe os problemas com que se debate. O isolamento do Pico e as restantes ilhas dos Açores merece que se olhe para esta parte de Portugal de uma outra forma. Haverá necessidade de, cada vez mais, criar as infraestruturas, para prestar o melhor apoio às populações. Por isso não desanimem. O Órgãos do Poder Local, seguramente, que não deixarão que continuem esquecidas.
Parabéns por esta bela página.
Deixo o convite para também visitarem BEIJÓS-CINCO ALDEIAS (http://beijoscincoaldeias.blogspot.com/)
Com um abraço.

Caguei te Mariano disse...

bom... continua a questao do pico... queriam o hospital... agora so querem o bloco de partos... companheiros, o puto ja ao nascer partirá o focinho nos calhaus? novamente, isso aí tem terreno nivelado para sequer ter um bloco de partos? ainda a questao das luzes do aeroporto, caro patriota duns actos, serve para o tal aeromodelismo... agora, o equipamento, so servirá para nascer pó... demasiado vinho, altera as mentes picarotas... começam a ver avioes, e terrenos nivelados para construçao... bacanos, menos vinho, mais realidade

Anónimo disse...

Caguei-te Mariano é uma expressão usada na Ilha do Arcanjo. Tem graça que os micaelenses usam uma, também muito gira, que é a seguinte: Tai asno!!!

Caguei te Mariano disse...

Tem razao caro anonimo, é muito utilizada por ca... no meu caso, é algo mais natural, a cannabis picarota faz das suas... mas novamente no meu caso,essa linda folhinha faz me abrir os olhos para a questao desse triangulo... agora, no vosso caso, adormece mentes? ou isso de ter so calhau e nao ter sombra, provoca insolaçoes? bacano, devias usar chapeu... isso de apanhar com o sol do meio dia nas trombas faz te mal...

Anónimo disse...

Agora me lembro de uma outra máxima que é a seguinte: Que sopa de quente!!!

Caguei te Mariano disse...

hehe... sopa de pedras... xD

Anónimo disse...

O caguei-te mariano deve ter uma pedra (Enorme!)no sapato ou, então, um p... na moleirinha!

Caguei te Mariano disse...

Lol... a pedra no sapato ate nao tenho... o tal p*** na moleirinha ate devo ter mas nada comparado com alguns casos cronicos da famosa ilha de Alcatraz, desculpem, Pico... bacanos, por mim, isso é caso psicologico ou mesmo psiquiatrico... Passem pelo Faial e marquem consulta, pode ser que alguem vos atenda.. inte