domingo, 23 de maio de 2010

Um novo ciclo

Reabriu após obras de beneficiação e de melhoramente o edifício da Delegação Marítima das Lajes do Pico.
Há mais de uma década fechado o renovado espaço apresenta condições de trabalho e de atendimento num investimento na ordem dos 170 mil euros.

Na cerimónia de inauguração o delegado marítimo do Pico salientou que as delegações marítimas da ilha iniciaram a sua actividade em finais do século XIX e antes da sua implementação todos os registos e matrículas de embarcações, cédulas marítimas e outros assuntos de interesse para a comunidade piscatória, eram tratados na Capitania do Porto da Horta.
Marco Ferreira referiu que desde então as delegações marítimas de São Roque e Lajes do Pico, passaram por várias fases, algumas delas em que, em alternância, apenas uma funcionava, facto que “causava alguns transtornos aos pescadores da terra”.
Posteriormente foram construídos dois novos edifícios, um em São Roque e outro nas Lajes, para as respectivas delegações marítimas com o sentido de satisfazer os interesses e necessidades dos pescadores picarotos e albergar os militares e militarizados que aí prestavam serviço. (...)
Também o Chefe do Departamento Marítimo dos Açores Contra-Almirante Mendes Calado sustentou que é com agrado que assiste “a uma nova etapa na história deste espaço que em tempos teve muito significado para esta vila baleeira ”devolvendo a dignidade ao edifício e também criando melhores condições de trabalho.

Também deixaram uma palavra de apreço ao Museu do Pico pelo excelente trabalho realizado na actualização e reposição do arquivo histórico da actividade da baleação da ilha do Pico, o qual ficará guardado na sala de arquivo desta Delegação Marítima, agora em condições que permitem uma melhor preservação de todo este espólio.

O novo edifício para além de albergar os serviços da delegação marítima também tem um espaço para a Polícia Marítima funcionando de início às terças e quintas-feiras pretendendo a curto prazo alargar o seu horário de abertura ao público com o reforço de um militarizado.
Ilha Maior de 21 de Maio de 2010

2 comentários:

Jose Augusto Soares disse...

"Mais vale tarde..."

Saúda-se.
E espera-se que possa servir os interesses para que foi criado.

Medina disse...

Esta foto traz-me recordações...Esta recuperação já devia ter sido feita à muito tempo. Mas vale tarde do que nunca. Agora é dar ao edificio a utilidade para que foi construido, para o interesse do concelho.

Medina