sábado, 28 de junho de 2008

Natália Correia

eu sou dos açores
relativamente
naquilo que tenho
de basalto e flores

Estraçalhado do poema Autogénese

Natália de Oliveira Correia (1923-1993) Foi uma intelectual e activista social de origem açoriana, autora de extensa e variada obra publicada, com predominância para a poesia.

Deputada à Assembleia da República (1980-1991), interveio politicamente ao nível da cultura e do património, na defesa dos direitos humanos e dos direitos das mulheres.
Autora da letra do Hino dos Açores.

Foi condenada a três anos de prisão, com pena suspensa, pela publicação da Antologia da Poesia Portuguesa Erótica e Satírica, considerada ofensiva dos costumes, (1966).

«A primeira vez que vi a Natália Correia foi no São Carlos. Eu estava na galeria ela no segundo balcão. Quando? Ui! Aí pelos anos 50. Apesar de já não ter muito afecto a senhoras, ia caindo para o lado do espectáculo de beleza que ela apresentava. Era quase extra-humana, era muito mais linda que a mais bela estátua feminina do Miguel Ângelo. Era uma coisa impressionante. Mas era também uma mulher de um desdém muito grande....»,

Mário Cesariny entrevistado por Carlos Câmara Leme, jornal Público, 2003.03.16 , wikipedia

1 comentário:

Jose Augusto Soares disse...

Para se perceber melhor a justeza do espanto de Cesariny, aconselho a "Fotobiografia" de Natália, publicada há poucos anos.

Mas, evidentemente, que muito mais que a beleza física, importa não esquecer que estamos perante uma das maiores figuras portuguesas do século XX.