sábado, 13 de março de 2010

Foi você que pediu um cais de cruzeiros?

A Terceira, quer goste ou não, irá ter o seu cais de cruzeiros.
Foi prometido nos últimos manifestos eleitorais da equipa vencedora. É certo que ninguém levou a sério esta proposta, mas compromissos são compromissos, pelo menos em certas ilhas.
E agora, os angrenses terão de gramar a pastilha, porque o dito foi universalmente referendado.

Uma vez que não há estudos económicos de custo/benefício dignos desse nome, este investimento só pode ser de natureza política. Ou seja, decidiu-se atribuir um cais de cruzeiros às ilhas que não fazem parte do grupo da coesão.

S. Miguel já tem o seu cais de cruzeiros concluído, o do Faial está em conclusão e o da Terceira já tem prometidos os seus 40 milhões de euros.
Se estou errado ao afirmar que o critério desta decisão é meramente político e não técnico, e muito menos económico, então será oportuno que os especialistas em portos do partido do governo - que os há - se pronunciem.

Senão, e uma vez que todas as ilhas nossas companheiras primo divisionárias, (as ilhas de fora do grupo da coesão) têm estes investimentos de 40 milhões, o Pico também terá de ter a mesma infra-estrutura, ou equivalente.
Não vejo outra volta a dar-lhe.

A localização desta infra-estrutura no Pico terá de ser a sul, para não concorrer directamente com a ilha mais próxima e assim se inserir favoravelmente numa rota de cruzeiros internos a dinamizar.

Cada um destes barcos de cruzeiro poderá transportar cerca de 3500 passageiros nas suas escalas técnicas, podendo parar por cá cerca de 10 horas.
Enfim, multidões destas poderão sempre visitar museus, fazer passeios a pé, de autocarro, ou a cavalo e contribuir para dinamizar a nossa restauração.
Fomentarão a criação de novos empregos, efectivando o desejado rejuvenescimento da ilha.

E assim o Pico continuará a fazer jus ao grupo primo divisionário no qual, por direito próprio, foi encaixado e então poderemos, uma vez mais, afirmar que, afinal, o investimento público regional também mora no Pico.

13 comentários:

O Psiquiatra de seviço disse...

Elefantes brancos. Os cruzeiros não enchem hoteis, não movimentam restaurantes e muitos dos turistas até permanecem a bordo, sem se dar ao trabalho de prescindir dos luxos de bordo, até porque a bordo está tudo pago e gastar cá fora é pagar a dobrar.

Anónimo disse...

Então você queria um cruzeiro no porto das Lajes? Contente-se com um cruzeirinho "das ilhas ou do canal"., lá de quando em vêz!
Ou com os barquinhos de pesca que ainda os há...Mas os barcos do talassa...

Anónimo disse...

O do Faial não é nenhum cais de cruzeiros ... antes fosse ! o de cruzeiros vai ser na doca comercial, onde os turistas (os que gostarem de aventuras terceiro-mundistas e quiserem prescindir dos luxos a bordo) desembarcarão "entre os fardos e a bosta" como se dizia há tempos. Este caizeco de 40 milhões (fora a gorjeta ...) que estão fazendo é só para os "cruzeiros" internos, do "vá para fora cá dentro" ... É o que faz ter dinheiro e não ver um boi à frente dos olhos !

Luis disse...

Não faz muito sentido ainda iam encalhar nas Lajes pois essa zona e muito baixa! Pense um bocadinho!

E os cruzeiros não é que desenvolvem o turismo vê-se agora as Portas do Mar em São Miguel, no inverno tá às moscas pois! Não há clientes, as lojas estão fechadas! E eu não quero que construam mostruosidades no Pico, desfiguram o natural!

Mas esses inventimentos de cruzeiros podiam ser feitos na Sáude o grande "calcanhar de Aquiles" do nosso Pico e das outras ilhas sem hospital, em vez de cais de cruzeiros investissem em melhor qualidade de saúde para os Açorianos!

Tal com agora uma máquina hiperbárica em São Miguel que não funciona desde a inauguraçao vergonha! As longas listas de espera o que parece impossivel!

Investir sim na nossa qualidade de vida!!!!

Falam em milhoes como se fosse uma coisa qualquer! Milhoes para aqui milhoes para acolá! E não se investe naquilo que nos realmente interessa e fazem obras sem sentido!

cagarola disse...

Muito bem
Sr. anonimo

é mesmo tacanho na visao do futuro

lindo
este deve ser do governo ou afilhado do governo

sim senhor

passa foraaaaaaaaaaaaaaa

Anónimo disse...

Meus caros amigos, juizo com relacao a um cais de cruzeiros no pico, so pode ser piada. Nao e necessario isso e nem devemos querer isso.E muito mais bonito e com mais sentido turistico que o barco fique fora na baia e que os turistas facam o precurso a terra nos pequenos barcos do cruzeiro proprios para o efeito.Na deslocacao do cruzerio a terra, a apreciacao fisica da natureza e muito mais gratificante do que se estar encostado a um monte de cimento, sem beleza alguma. Como exemplo, e ja fiz 21 cruzeiros nas bahamas, Mexico e caribe, nas ilhas Caymon, a autoridade portuaria e com vontade do povo e turistas, nao quer um cais de cruzeiros devido ao que eu falei antes. O precurso nos pequenos barcos do cruzeiro que sao apropriados para o efeito e muito mais interesante. Sao recebidos la no maximo 5 barcos de cada vez por dia e ao sabado e domingo nao ha barcos. A ilha precissa da sua privacidade tal como eles falam, descanso, motivos religiosos,reabastecimento de stock, convivo com a familia etc. Eles tem infrastruturas para receber estes barcos etc, tal como cafes, pequenos restaurantes, gift shoppings etc.Provo a minha openiao em;
www.caymanport.com
Nos acores e nem falo do pico, nos nao temos necessidade de cais de cruzeiros. O que se fez em Sao Miguel foi um desastre e ja ta sendo provado, na terceira sera pior e no Faial nem se fala. Quanto ao comentario do anonimo que diz para nos contentarmos com um cruzeirinho,hehehehe, o que me preocupa nao e o grito dos maus e o silencio dos bons. Nao queiram um cais de cruzeiros para o pico, vao ganhar muito mais e verao como. Abraco, um picaroto que pertence as lages que vive nos USA.

artur xavier disse...

Pai, perdoai-lhes porque não sabem o que dizem... Foi você que pediu?
Com um frio de rachar, lá fora e eu para aqui a ler estas... "coisas"! O que interessa é que em nome da "estabilidade" o orçamento, apesar de ser mau, passou. O nosso primeiro, apesar de faltar à verdade, (Pelo menos no que respeita a ter afirmado que os impostos não iam aumentar), lá continua. O teixeira dos prantos, apesar de dizer não haver money for the boys - alguns boys, não todos (Coitados dos P Junta) - lá está de pedra e cal. O vitor C, porque aufere maior vencimento que o presidente da reserva federal dos EU, é uma pessoa competentíssima que merece ir (Já deveria ter ido, há que tempos) para o BCE...
Razão, carradas de razão, tem Medina Carreira quando diz que isto é tudo uma cambada de incompetentes. Boca santa!

Anónimo disse...

No meio de todo este arrazoado o Artur fez-me rir. Vamos-nos rindo, é o melhor remédio.

Paulo Pereira disse...

Caros comentadores

Geralmente dou a minha opinião no post e depois não interfiro nos comentários.
Mas uma vez que o post levantou dúvidas, gostaria de esclarecer o seguinte:

Ao ilustre anónimo dos 21 cruzeiros, nosso conterrâneo, gostaria de garantir que, à semelhança das ilhas Cayman, nunca defenderei mais de 5 navios cruzeiros na baía das Lajes.
Tem a minha palavra.

Sobre o transbordo ser melhor que um cais de cruzeiros, posso dizer-lhe que, em tempos que já lá vão, já vi muita vaca a nadar nas Lajes.
E não gostaria de ver mais.

Ao Luís(?) que afirmou que o cais de cruzeiros de Pt Delgada está às moscas, gostaria de afiançar que, embora menos numerosas e mais magrinhas, as moscas do Pico não são em nada piores que as dos outros lugares.

A quem pergunta se isto é uma piada, gostaria que endereçassem a vossa dúvida aos autores das ilhas de coesão e dos três cais de cruzeiros nos Açores.

Cumprimentos e
disponham sempre

Anónimo disse...

claro que o cais de cruzeiros não faz sentido, mas penso que o que está verdadeiramente em causa é questionarmo-nos porque as ilhas de coesão tem o seu investimento, as outras três "ex capitais" também (mesmo que nas infraestruturas erradas)e o Pico fica de fora...

Rui Pedro Ávila disse...

Querendo opinar “a sério”, fico com muitas dúvidas se o deva fazer, atendendo ao comentário “legítimo” de tantos ANÓNIMOS; mas porque o “Paulo Dionísio” me merece enorme consideração, aqui vai: “Ilhas de coesão” ou não, já cansa, sabe porquê? Porque quase ninguém vai aprofundar as vantagens e, ou, desvantagens de os empresários de cada uma dessas ilhas “assim classificadas”, optarem pelos “incentivos” que lhes estão destinados. Pode ser por “grave falta minha”, mas nunca vi, de uma forma minimamente “estudada” qualquer abordagem séria sobre essas diferenças; porque a verdade é que existem "nuances" quanto à tipologia de investimentos, nos dois casos e, não tenham dúvidas, porque eu também não tenho, estão por aí, e ainda bem, alguns empresários "de fora" a aproveitar uns e outros incentivos… Quanto aos “cais de cruzeiros”, o assunto é pertinente mas não se esgota hoje, nem daqui a dez anos; claro que falo em relação às ilhas que não foram sedes dos ex-distritos mas, mesmo assim, andam por aí apetências de "aportagem" às diversas ilhas e andam por aí "outros interesses" que nada tem a ver com as políticas afloradas… e sabem porquê? Só porque, cada vez mais, tudo se decide nos "grandes centros de negócios turísticos" (a nível do encaminhamento dos fluxos turísticos) e quanto a isso, somos um “pequeno oásis”; Não tenhamos dúvidas, se formos comparados aos "grandes circuitos turísticos" que se cruzam com os problemas políticos inerentes aos "conflitos étnico-religiosos" do Médio Oriente e afins; então passaremos a ser, felizmente, "um paraíso" – as ilhas dos Açores – e poderemos então necessitar de melhorarmos, substancialmente, as nossas "condições portuárias de acolhimento aos grandes cruzeiros". Porquê? Porque os outros também o farão e não poderemos continuar a querer oferecer apenas um "clima ameno", ainda que eu... seja um "defensor acérrimo" da pureza dos “ares da Engrade, na Ponta da Ilha, na ilha do Pico”… É esta a minha singela opinião, principalmente expressa para o amigo Dr. Paulo Dionísio.

Jose Augusto Soares disse...

Não pedi...e dispenso!

jose gomes disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.